Pesquisar neste blog

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Deus criou o homem e este criou o diabo

O homem herdou do Criador uma grande e importante capacidade criativa. Unindo pensamento e emoção focados em um único objetivo somos capazes de criar coisas, ou melhor, lançamos as sementes que podem germinar no futuro.

Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, principalmente no que se refere à capacidade criativa. Desde que o homem descobriu o fogo e a roda sua inventividade veio se desenvolvendo de uma forma constante.  A capacidade criativa do homem não reconhece limites e isso ocorre não somente no universo empresarial ou comercial, mas também no social e religioso. Os marginais também estão cada vez mais criativos em seus golpes.

Lá atrás, na época das antigas e primitivas civilizações, não existiam as modernidades de hoje. Não havia televisão, celular, tênis ou carros. Também não existia a figura do diabo. Naquele tempo somente existiam os deuses de todo tipo de coisa (deus da chuva, deus da justiça, deus do amor e muitos outros, até deus da morte), mas não existia a figura do diabo como um ser contrário a Deus.

A imaturidade humana sente necessidade de culpar outro ser por suas mazelas, fracassos, falhas, imperfeições, etc.. Assim, apesar de não ter fundamentação bíblica, no Torah ou no Alcorão, grandes religiões foram evoluindo e adaptando conceitos para formar o conceito e a figura do diabo. Mas, em meados do século VII a.C., na Pérsia, Zoroastro[1] (ou Zaratustra) concebeu o Masdeísmo ou Zoroastrismo que tem a figura de uma divindade maligna que combate em igual condição e poder outra divindade benigna[2]. Esta era uma religião que hoje muitos podem rotular como pagã e não cristã. Ou seja, se o cristianismo, o judaísmo ou o islamismo hoje têm a figura do diabo, estas religiões o adotaram do paganismo, o que combatem feericamente.

Podemos ver hoje religiosos que falam mais do diabo do que de Jesus ou de Deus. Se contarmos às vezes que estas palavras (diabo – ou correlato, Jesus, Deus) saem de suas bocas veremos que estes religiosos são na verdade sacerdotes do diabo, pois o divulgam, enaltecem seu poder, sua força e sua esperteza – estão sintonizados nele e fazem do diabo sua razão de existir e força de trabalho. E, como sabemos, quando mais falamos do diabo, mais força lhe conferimos, mais poder e influência. É nosso poder criativo em ação!

O site da Enciclopédia Aberta chamada Wikipedia traz interessante texto quanto ao assunto:

... A figura de Satã é desnecessária, afinal, Javé é responsável pelo mal. A falta de um dualismo radical entre o bem e o mal explica-se pela exclusividade de Javé.
... Além disso, tanto a Reforma Protestante, quanto a Contra-Reforma Católica utilizaram-se da figura do Diabo de forma crescente para justificar seus esforços de salvar os ameríndios. Deve-se notar as profundas transformações sofridas pelo Diabo no período moderno, pois era o Diabo quem servia o ser humano até o século XV, entretanto, a partir desta data, o papel se inverte e o homem torna-se servo do Diabo.
... Segundo Alfredo dos Santos Oliva, a figura do Diabo é indispensável ao cristianismo por que tem o objetivo de ser um princípio oposto a Cristo. Se a mensagem básica do Novo Testamento é a salvação do homem através de Cristo. Cristo Salva o homem do Diabo, logo, se o Diabo é omitido, marginalizado, a missão salvadora de Cristo perde seu sentido.

Ora, dizer como Alfredo dos Santos Oliva que Jesus precisa do diabo caso contrário perde o sentido é um absurdo de enormes proporções! Dizer isso é dar mais importância ao diabo do que a Jesus!



Nós precisamos crescer, assumir a responsabilidade por nossa vida, realização, saúde, paz e felicidade. Precisamos deixar de procurar terceiros para colocar a culpa de nossa incapacidade e imaturidade. Precisamos fazer isso para que tenhamos lucidez, consciência e condições para vermos a vida como ela realmente é; conceber a verdade e assim decidir e julgar corretamente.
Afinal, você acha justo Deus ter-nos criado, dado uma vida e um magnífico planeta para vivermos, nos oferecer a possibilidade de evoluirmos nos aproximando cada vez mais Dele e nós, como retribuição, criamos uma figura para combatê-lo? Isso é justo? Isso é correto?
Então, você irá continuar acreditando e falando no diabo? Você está colaborando para construir um mundo melhor ou fazendo coro com aqueles que o querem destruir só por sadismo?

Participe de nossos debates em: http://conscienciaestelar.forumbrasil.net/
Postar um comentário