Pesquisar neste blog

quarta-feira, 5 de junho de 2013

O símbolo em nossa vida cotidiana

O símbolo em nossa vida cotidiana


Alguns artigos aqui publicados versam sobre símbolos e alguns leitores podem questionar a validade de se dedicar tempo e reflexão acerca de “coisas” abstratas, não concretas ou reais.
Mas, a importância dos símbolos não é o que são, mas sim o que representam, principalmente as idéias e conceitos que significam e trazem para nós. É como uma imagem religiosa que ela por si mesma nada mais é do que gesso pintado (na maioria das vezes), mas que pode representar um importante ícone religioso digno de fé e veneração por milhares de pessoas.
Além disso, enganam-se aqueles que imaginam seu mundo “concreto” é isento do uso de símbolos. Uma das mais cruéis e fatais realidades da atualidade é o sistema financeiro. Esta realidade financeira da qual não podemos fugir tem como símbolo principal o dinheiro.
O que é o dinheiro? Um pedaço de papel pintado ou metal, nada mais que isso. Antigamente o dinheiro tinha seu valor intrínseco, as moedas de ouro valiam o seu peso em ouro, igualmente as de prata. Simples assim. Agora o dinheiro na verdade é um tipo de “vale”, um símbolo de um valor que por sua vez também é simbólico.


Antigamente o dinheiro em papel era um vale, mas tinha seu valor lastreado em ouro guardado no Banco Central. Não é mais assim! Hoje o dinheiro é na realidade um símbolo de confiança, nada mais do que isso. Está estampado no dólar americano, moeda referência mundial: “In God We Trust”. Ou seja, “acreditamos em Deus” tornou-se o slogam que lastreia a confiança internacional daquela moeda referência. Tanto assim é que quando surge algum escândalo financeiro o mercado “vira de ponta-cabeça”.  Ou seja, quando a confiança é afetada os valores podem se pulverizar da noite para o dia e lá se foi o valor das coisas.
Não existe nada mais essencial na vida atual do que dinheiro. Pessoas morrem e pessoas matam por ele. A vida mundial tem por base o símbolo de um valor, a representação da confiança em um governo ou sistema financeiro.
Ou seja, por mais concreto que possa parecer, o dinheiro que norteia a vida e o trabalho de todos é algo subjetivo, virtual, e muito enganoso, visto que seu valor pode se alterar drasticamente a qualquer momento. Nossa moeda mesmo, já mudou de nome e valor diversas vezes na história. Foram réis, cruzeiros, cruzados, real, etc..
Isso não acontece com os símbolos que retratam as verdades eternas que iluminam a humanidade. O dinheiro foi criado pelo homem e por ele pode deixar de existir. Já as Leis Cósmicas Universais foram criadas por Deus, antes mesmo do homem existir. Estas Leis cósmicas são eternas e imutáveis. Apesar de parecerem abstratas por sua simbologia tratar de questões de natureza aparentemente não tangível, falam da realidade nua e crua plasmada nos diversos planos da Criação.
Devemos refletir sobre esta questão. Devemos pensar o quanto algo é realmente sólido e seguro e o quanto ele é frágil e passageiro em nossas vidas. Muitas vezes construímos nossa casa sobre terreno inseguro sem perceber, apenas porque outras pessoas também o fizeram.



·         => Filie-se na Academia Ciência Estelar em www.cienciaestelar.org.br
Postar um comentário