Pesquisar neste blog

terça-feira, 12 de novembro de 2013

O entorpecimento físico, seres sutis e a evolução

É dito que a divindade é de natureza espiritual e não material, assim como toda a sua hierarquia de seres que contribui no mistério divino. No esoterismo aprendemos que a Criação tem (didaticamente) sete planos de existência nos quais a vida se manifesta, partindo do Absoluto até atingir a matéria densa, tangível e visível.

Os mestres ensinaram que para um ser de um plano superior se manifestar em qualquer um dos planos da Criação se faz necessário que ele obtenha um veículo ou corpo específico para aquele plano e assim poder interagir com os demais seres do mesmo plano.
Assim sendo, para que algum ser possa interagir no plano físico é essencial que ele tenha também um corpo físico, caso contrário as pessoas não o verão e será impossível o contato e, conseqüentemente, sua influência neste plano.



É por isso que seres de outros planos, sejam eles alienígenas, elementais, devas, egrégoras, “fantasmas”, elementares, etc. não são vistos e dificilmente interagem conosco. Exceção se faz em casos de pessoas que por questões especiais conseguem acessar parcialmente os planos paralelos mais próximos e assim ver, ouvir e interagir com estes seres. Ou seja, para que possa haver um contato ou encontro entre um ser sutil e uma pessoa do planeta Terra encarnada é necessário que ambos façam um esforço para que se encontrem “no meio do caminho”. Aquele precisa se esforçar para descer e nós precisamos nos esforçar para subir. O “subir” neste caso é em termos tanto de vibração quanto de consciência. É certo que alguns de nós já nascem com aberturas psíquicas especiais que facilitam este tipo de contato, assim como os videntes, místicos, médiuns, etc..

Mas, quando se faz necessário uma intervenção física de fato importante e seja vontade superior é necessário que um ser superior adquira um corpo físico. Todos sabemos que a despeito de ficções científicas o único modo de se ter um corpo físico é nascendo como um terráqueo “normal”. Este ser terá então seus veículos nos sete planos da Criação e poderá interagir plenamente. Apesar de aparentemente ser uma pessoa “normal” este ser certamente terá uma alma diferenciada e a conexão com seu espírito poderá também diferir muito dos demais terráqueos. Foi o caso histórico de Jesus que nasceu de uma mulher, como outro bebê. Ele não desceu de uma nave espacial e nem de uma nuvem de anjos.

Já não estamos mais em época de milagres ou de feitos que contrariem as Leis Universais, até porque elas são eternas e imutáveis e, mais que isso, representam a Vontade de Deus, da Fonte, do Absoluto, do Altíssimo ou como se queira denominar a Origem Única e Suprema de tudo e de todos.

A civilização do planeta Terra vive um momento singular em toda a galáxia: estamos para dar um grande salto evolutivo, estamos em vias de participar conscientemente da comunidade estelar de mundos e civilizações. Nosso planeta está senso o palco de um processo original que nunca antes aconteceu em local algum no universo conhecido. Por esta razão se faz necessário que aqui tenhamos para nos orientar, acompanhar e apoiar, a presença tanto de seres alienígenas quanto espirituais. Mas, tanto uns quanto outros para efetivamente poderem contribuir precisam estar revestidos de corpos materiais e, portanto, nascer como qualquer outro humano da Terra.

O revestimento de um ser sutil por corpos mais densos (inferiores) prejudicam suas habilidades naturais, fazendo-os ter domínio parcial de suas qualidades originais. Por isso é um grande sacrifício estar aqui. É o mesmo que um ser humano ter que usar um escafandro para poder interagir com um meio ambiente do abissal fundo do mar.



Assumir corpos densos para aqui se manifestar geralmente entorpece a consciência e dificulta o acesso à verdade. Isso faz com que seja necessário tempo e treinamento para se recuperar o que se perdeu nesta manifestação. É por isso que muitos que são naturais de outros planetas ou mesmo do plano espiritual ainda não o sabem e descobrem esta realidade gradativamente. A perda da consciência acerca de outros planos também é um grande empecilho do despertar para a realidade porque os fatos físicos são contundentes, constantes e nos impactam de forma a nos fazer acreditar que esta é a única realidade possível de existência. As sensações são fatores de forte convencimento e ao mesmo tempo de inconsciência acerca dos planos e realidades paralelas. Por isso mesmo romper com este equívoco é motivo de grande mérito espiritual evolutivo e ensinamento constante daqueles que aqui aportam para nos auxiliar.

Os seres que mais sofrem neste sacrifício de inconsciência são os de natureza espiritual. Depois vêm os alienígenas amigos. O que é natural e muitas vezes agradável ao homem natural deste planeta pode ser muito difícil e até mesmo desagradável aos nossos amigos de fora. Mas, todos, sem exceção, devemos atingir pelo menos o primeiro grau de consciência que é saber que a realidade ocorre em diversos planos e se possível começarmos a interagir conscientemente neles.


Participe conosco da construção de uma nova sociedade:

Postar um comentário