Pesquisar neste blog

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Como identificar um Mago Negro


“Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons”.
Mateus 7:15-18

Hoje está muito popular se falar de magia, tudo parece ou é nomeado como “mágico”. Dessa forma, muitas pessoas se aventuram a rotular coisas como sendo mágicas. Nessa linha surgem então julgamentos afoitos e rótulos precipitados relacionados à uma suposta “magia negra” ou de pessoas como sendo “magos negros”, mesmo que não se tenha estudado anteriormente sobre o que seja magia e suas formas.



Vamos então saber um pouco mais sobre o assunto e não cometer calúnia e difamação, incorrendo no risco de infringir inclusive a legislação e estar sujeito a um processo legal?

Primeiro, o que é magia?
O dicionário assim define magia:
“arte, ciência ou prática baseada na crença de ser possível influenciar o curso dos acontecimentos e produzir efeitos não naturais, valendo-se da intervenção de seres fantásticos e da manipulação de algum princípio oculto supostamente presente na natureza, seja por meio de fórmulas rituais ou de ações simbólicas”.
O site da Wikipedia assim define magia:
“A magia, antigamente chamada de Grande Ciência Sagrada pelos Magos, é uma forma de ocultismo que estuda os segredos da natureza e a sua relação com o homem, criando, assim, um conjunto de teorias e práticas que visam ao desenvolvimento integral das faculdades internas espirituais e ocultas do Homem, até que este tenha o domínio total sobre si mesmo e sobre a natureza. A magia tem características ritualísticas e cerimoniais que visam a entrar em contato com os aspectos ocultos do Universo e da Divindade”.

A primeira definição acima é mais popular e superficial, sem um estudo profundo, mas conduz o leitor para o ‘mundo dos seres fantásticos’. A segunda definição já se mostra mais profunda e resultado de uma pesquisa séria e conduz o leitor a considerar a magia como algo relacionado ao desenvolvimento espiritual e da divindade.



O termo “magia” se origina da religião dos antigos “parses”, ou pársis. Eles são um grupo étnico-religioso do subcontinente indiano. Eles formam a maior das duas populações praticantes do zoroastrismo na região. Já o Zoroastrismo é definido assim pelo site da Wikipedia:
“O zoroastrismo, masdaísmo, masdeísmo ou parsismo é uma religião fundada na antiga Pérsia pelo profeta Zaratustra, a quem os gregos chamavam de Zoroastro. É considerada como a primeira manifestação de um monoteísmo ético. Para alguns acadêmicos, os pontos chaves das principais doutrinas do Zoroastrismo sobre a escatologia e demonologia, como a crença no paraíso, na ressurreição, no juízo final e na vinda de um messias, viriam a influenciar o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. Tem seus fundamentos fixados no Avesta e admite a existência de duas divindades (dualismo), as quais representam o Bem (Aúra-Masda) e o Mal (Arimã). Da luta entre essas divindades, sairia vencedora a divindade do Bem, Aúra-Masda”.

Os antigos e verdadeiros “magos” eram sacerdotes de Ahura Mazda, ou Ormuzd. Ou seja, sacerdotes do Bem, da Luz.

Existem diversos tipos de magia conhecidos: magia natural, magia cerimonial, magia talismânica, magia enoquiana, magia sexual, magia musical, xamanismo, magia contemporânea (raízes no trabalho de iniciados como Eliphas Levi, Papus e Teosofia), magia universal, magia gnóstica, magia africana, etc.

Observe-se que o leigo não só desconhece esses tipos de magia como ainda “criou” na mente popular o termo “magia negra”.

E essa tal de “magia negra” existe? Sim, existe. Trata-se do uso inadequado da arte sagrada da magia. Como então se identificar um mago negro? Para o leigo a definição “mago negro” conduz à conclusão fácil, rápida e equivocada que tudo que seja negro está relacionada à magia negra. Esse é o maior equívoco que se incorre no julgamento precipitado e injusto.



Vejamos, se só pelo fato de um sacerdote ou magista usar negro já o defini como mago negro o que se poderia dizer dos antigos padres católicos que usavam batinas negras em toda a sua vida e em todo tipo de atividade? Seriam eles então magos negros? As freiras católicas, também usam a cor preta. Seriam elas magas negras? E como ficaria então o caso das viúvas que passam a usar o negro após o falecimento do marido? Teriam se tornado então magas negras? E o preto do luto que todos usamos, seria então um símbolo de magia negra também? E os ternos dos pastores evangélicos, geralmente pretos, seria um símbolo de que se trata de magos negros? Certamente que não!





É natural se temer o desconhecido e quando se teme algo se demonizar esse algo desconhecido é natural. Mas, seria muita intolerância e preconceito se rotular todos sacerdotes que não sejam da religião que professamos como sendo magos negros. Não é mesmo? Essa é uma atitude medieval e fundamentalista nada atual ou ecumênica. Afinal, todas as religiões pregam essencialmente o amor e que tendo Deus como Pai comum, somos todos irmãos e irmãs, diferentes sim entre si, mas irmãos, e um não é melhor nem pior que o outro.

Mas, então, magia negra é aquela que usa vela preta?
Vejamos, uma vela é o símbolo votivo de uma devoção espiritual, visto que toda vela tem por objetivo ser acesa e quando acesa irradia luz. Se irradia luz então é um símbolo ou um objeto divino, de LUZ. Se é de luz não é negra ...



Toda a criação tem vibrações que podem ser agrupadas em doze ou sete características principais. É fácil se compreender isso quando nos lembramos dos santos católicos em suas atribuições específicas: Santo Antônio é o santo do casamento, Santo Expedito é o santo das causas perdidas, São Cristóvão é o santo dos motoristas e viajantes, etc. Da mesma forma, existem os coros angélicos e cada um deles tem uma regência específica ou assunto particular totalmente diferente do outro. Em termos espirituais essas características também são frequências ou vibrações específicas e diferentes entre si. Cada cor tem uma característica ou regência. Existem sete cores principais relativas aos sete sacramentos cristãos.



A cor negra nada tem de magia negra. A cor negra é a cor da extrema unção, relacionada com o sétimo dia, quando, segundo a Bíblia, o Senhor “descansou” e o homem deve honrá-lo “doando” esse dia ao Pai. Estão relacionados com essa cor os anjos Oriphiel, Jehudiel e Zaphliel. À essa cor também está relacionada ao nome de Deus que as pessoas normalmente traduzem do hebraico como sendo “Jeová”, ou Iod He Vaw He. Mas, esse é um nome que os hebreus ortodoxos jamais pronunciam, pois se trata o nome do mistério, do segredo, por isso a relação com a cor negra, do desconhecido. Esse mistério de cor e nome divino está relacionado com a séfira Binah (a Providência Divina) e com a ordem dos Tronos (os mesmos que os hebreus denominam Aralim, isto é, anjos poderosos, grandes, fortes e robustos). Ou seja, além de não ser nada negativa ou maléfica, a vela preta ou negra nos remete ao primeiro Mistério da chamada Coroa Sefirótica, mistério esse diretamente relacionado com o Espírito Santo.

"É no escuro da noite que melhor se pode enxergar a luz das estrelas"

Vimos até aqui o que equivocamente se assinala como sendo indicadores de “magia negra” e percebe-se que essa crença popular não tem fundamento lógico ou teológico. Caso contrário haver-se-ia necessidade de reformulação de hábitos e costumes religiosos antigos arraigados em tradições seculares. Então, o que é “magia negra”? Definindo-se magia negra se define aquele que a pratica...

O Mal ou a magia negra não tem definição ou um conjunto específico que os defina. Sua definição sempre está relacionada com a falta do Bem ou da Magia Branca, estas sim têm definições bem claras e objetivas.

Encontra-se essa definição de magia branca:
“A magia branca se refere normalmente à prática ocultista direcionada para o bem ou para fins altruístas; a magia na qual reina o “seja feita a vossa vontade”. Entretanto, no conceito mais atual, a magia branca se refere a toda e qualquer magia no qual o praticante tem intenções puras e destina seu uso para o bem e/ou para o próximo. Magia branca tradicionalmente faz referência ao uso de poderes sobrenaturais ou magia para fins bons e altruístas”.

Alguns poderiam dizer que na Bíblia ou na prática cristã não cabe a magia, mas as pragas do Egito por ocasião do êxodo dos judeus do Egito no Antigo Testamento formam produto de magia natural. Assim como foi obra de uma poderosa magia natural Moisés abrir o mar Vermelho para a passagem dos hebreus. Além disso, é habito entre pessoas de fé recorrerem a benzedeiras para curar dores e sofrimentos. O ato de se “benzer” é um ato de magia realizado de forma espiritual. Seria isso errado?

Vimos no início que a magia tem origem na prática divina do bem e que a magia branca tem em seu princípio intenções puras e o bem do próximo. Então, magia negra seria o contrário, o uso de forças ou poderes para fins maléficos e egoístas. Grave-se essa frase:
Magia negra é o uso de qualquer tipo de poder para fins maléficos e egoístas.

Ou seja, mesmo a pessoa usando uma vela branca, dentro de um templo branco, se ela estiver fazendo uma oração com o intuito de fazer mal à outra pessoa ou com o objetivo de se beneficiar mesmo que prejudicando outra pessoa, bem essa pessoa está praticando magia negra sim. Não são as características externas que definem ou diferem magia negra ou branca, mas sim o objetivo que o mago lhe imprime.



Toda pessoa corre o risco de ser um mago negro, principalmente se desenvolveu algum tipo de poder paranormal. Se a pessoa usar de seu poder para prejudicar outras pessoas, se beneficiar acima de seus direitos naturais, mesmo que esteja vestida de cordeiro, usando palavras polidas e espiritualizadas, ela será um mago ou maga negra sim. Outro indício evidente de magia negra é fazer uso de forças para impedir que outra pessoa possa exercer seu livre-arbítrio.

Ou seja, fazer uma oração e acender uma vela branca na Igreja para um santo fazer outra pessoa se apaixonar por você é um ato de magia negra, mesmo que não pareça e que a Igreja não tenha nada a ver com isso.

Enfim, para se identificar um mago negro basta ver suas atitudes e histórico pessoal: ele faz maldades (xinga, briga, mente, trai, faz intriga, fala mal das pessoas pelas costas), busca o próprio benefício, manipula as pessoas conforme a sua vontade, quer controlar as pessoas ou fazer com que elas façam o que querem? Bem, essa pessoa se não for está muito próxima de ser uma maga negra.

Como se pode perceber é bem fácil se identificar um mago negro e desmistificar preconceitos. Então, antes de se rotular alguém como "mago negro" não seria melhor buscar os indicadores? Afinal, pode-se estar difamando e prejudicando a imagem e o conceito da pessoa injustamente, cometendo até mesmo um ato ilegal. Aliás, esse é o tipo de atitude que um verdadeiro mago negro teria ...