Pesquisar neste blog

sexta-feira, 24 de abril de 2015

A manipulação genética da humanidade

Existem informações sobre a manipulação genética que seres extraterrestres realizaram ao criar a raça humana, mas não foram dados detalhes sobre o que exatamente foi feito. E, além disso, porque foi feito? E hoje, milhares de anos após nossa criação, como está nossa situação genética?

O ácido desoxirribonucleico (ADN, em português: ácido desoxirribonucleico; ou DNA, em inglês: DeoxyriboNucleic Acid) é um composto orgânico cujas moléculas contêm as instruções genéticas que coordenam o desenvolvimento e funcionamento de todos os seres vivos e alguns vírus, e que transmitem as características hereditárias de cada ser vivo.



Cientistas afirmam que a organização química de blocos moleculares que formam as matérias pode ser explicada por processos naturais de arranjamento e combinação que ocorreram em milhões de anos. Mas, uma coisa é a formação de uma matéria ou estrutura estável e outra coisa é a mensagem inteligente de organização ou mesmo reprodução desta mesma matéria ou estrutura. Ou seja, uma mensagem pode ser transmitida por carta, bilhete, e-mail, telefonema, SMS, etc. A forma ou o meio de transmissão da mensagem é uma coisa e outra muito diferente é o conteúdo desta mensagem. A arquitetura da vida é de uma complexidade e inteligência que não se podem explicar pelo simples processo de tentativa e erro irracional, do encontro casual de elementos químicos ao longo de milhares de anos. Ou seja, há que se supor que existe uma Inteligência Superior que ordena a formação da matéria e Sua Ordem acontece conforme as possibilidades do arranjamento da matéria básica (componentes químicos) já existente.



Informações sobre extraterrestres nos ensinam que ao criar o ser humano eles tomaram parte genética de um hominídio que viva em nosso planeta e que realizaram uma hibridação com parte de material genético deles, ou seja, de origem extraterrestres. Então, este hominídio foi capaz de entender e realizar ordens, se comunicar e aprender. Mas, este hominídio não era igual aos extraterrestres, era somente semelhante em alguns pequenos detalhes importantes para o trabalho para o qual foram criados (inicialmente os humanos foram criados para servirem como serviçais dos extraterrestres). Ainda existia uma grande diferença que era a consciência cósmica, capacidades hoje consideradas paranormais como a telepatia e até mesmo a capacidade de compreensão da vida e da existência. Mais que isso, faltava ao ser humano terrestre a consciência acerca das Leis Cósmicas Universais.



O desconhecimento das Leis Cósmicas Universais não só condicinou o ser humano à condição de “ignorante universal” como também lhe deu a possibilidade de não seguir estas Leis, atitude que seres conscientes Delas jamais tomam. Estava então criado o chamado “Livre Arbítrio”. Se, por um lado, os homens deixaram de ser “Almas Puras” da natureza (saindo do “Paraíso”), por outro adquiriram um mínimo de inteligência para ter acesso ao conhecimento repassado pelos seus criadores (Aelohins), porém sem consciência da origem e consequências do uso destes conhecimentos. É o que a fábula bíblica retrata na chamada “perda do Paraíso” por ter acesso à Árvore do Conhecimento.
Mas, acima do nível de conhecimento e compreensão humana, acima do nível de conhecimento e compreensão extraterrestre, este fato foi determinado nos planos espirituais superiores e fez parte da Grande Obra Divina no cosmos em que nascemos e vivemos.

No processo de criação genética do ser humano deixamos de ser animais para adquirirmos estruturas humanas de origem extraterrestre, mas estruturas limitadas. Esta limitação se deu não somente por termos apenas parte do material genético deles, mas principalmente porque naquele processo não nos foi dada a terceira estrutura de DNA igual a deles.
Toda a vida natural e material, realidade característica de nosso mundo particular, é “regida” pela dualidade, pela realidade do Dois. Assim, temos dois hemisférios cerebrais, dois sexos. Nossa “consciência” ou ciência se baseia na dualidade apenas, por isso ficamos presos entre o certo e o errado, entre a verdade e a mentira, entre o pecado e virtude, entre matéria e espírito, etc.

A dualidade é composta por um elemento ou forma de manifestação divina que é racional, frio, precipitativo, ativo e masculino que os hindus conhecem pelo termo Rajas. O outro elemento ou forma de manifestação divina que é emocional, receptivo, subjetivo, passivo e feminino, conhecido pelos hindus como Tamas. Conforme a tradição hindu existe uma terceira forma de manifestação divina, a chamada de Fohat. Sendo assim, conhecemos e vivemos apenas duas formas da manifestação divina, desconhecendo totalmente a terceira forma de manifestação divina ou de realidade.

Então, qual seria esta terceira estrutura genética, qual seria a natureza de Fohat que nos falta?

A dualidade pressupõe e necessita da terceira estrutura, é como ocorrer o encontro entre o masculino e o feminino, o resultado será uma terceira vida. Da mesma forma quando se encontram a eletricidade e o magnetismo ocorre um terceiro vetor resultante que pode ser o calor, o movimento, etc. Esta terceira estrutura já é esperada como uma evolução automática da dualidade para a trindade, mas uma trindade não só conceituada porém vivida, praticada, conhecida e que é de fato uma realidade, ou obrigatoriamente compõe a realidade. Esta terceira estrutura une em harmonia as duas anteriores, a ciência e a fé, o politeísmo e o monoteísmo, o masculino e o feminino, mantendo e respeitando as naturezas destas estruturas anteriores.

Antes que alguns leitores logo afirmem que não se muda a estrutura do DNA e que isso é uma verdadeira “viagem na maionese” de “esotéricos”, sem qualquer fundamentação científica, destacamos que em uma reportagem da revista Veja encontramos a seguinte afirmação: "A pesquisa mostrou que o DNA não é uma estrutura estática: ele é dinâmico. É incrível que ele possa mudar de forma, até mesmo de número de hélices", diz Mayana Zatz, geneticista do departamento de Genética e Biologia Evolutiva da Universidade de São Paulo.

Hoje cientistas geneticistas realizam congressos para avaliar uma situação nunca antes experimentada: nossa estrutura de DNA está se alterando!



Ou seja, é possível sim se alterar o DNA e de uma forma até que “simples”: pela exposição aos raios Ultra Violetas ou pela ação de vírus! É claro que não é qualquer vírus que altera o DNA, mas um simples vírus pode de fato promover uma alteração genética.

Em termos esotéricos, esta terceira estrutura genética é conquistada com o desenvolvimento de nossa consciência, da compreensão das Leis Cósmicas Universais e de nossa condição de seres galácticos, de verdadeiros “filhos de Deus” e iguais aos nossos Irmãos Estelares.


Caso não queiramos depender da existência de um vírus específico que altere nosso DNA nos conferindo esta terceira estrutura genética podemos também cria-la com nossa vontade, constância e determinação. Devemos aplicá-las no estudo e prática dos conhecimentos relativos às Leis Cósmicas Universais que nos foram ensinados desde nossa remota existência (por nossos Irmãos Estelares) e que os humanos compreendendo apenas seus fragmentos transformaram em religiões e ordens esotéricas. É o esforço para a conquista da consciência, o chamado “despertar da consciência”, a compreensão de que a Verdade está além da dualidade e que a esta comporta em harmonia perfeita. A Verdade espiritual não reside na ciência e nem na fé, ela resulta da união harmônica de ambas; não está no pecado ou na virtude, mas sim no encontro harmônico de ambos; não está na mente ou no coração, mas sim na união dos dois; Ela não está no politeísmo e nem no monoteísmo; nem no Feminino e nem no Masculino; Ela transcende e realiza a dualidade.



Esta Verdade natural à terceira forma de manifestação da divindade tanto é possível como também é nosso destino, nossa sina, nosso futuro previsível e esperado.

Há pessoas que afirmam que já existem pessoas com a terceira estrutura genética. Em artigo creditado a Patricia Resch, supostamente inspirada por outra pessoa ou entidade, encontramos que existem crianças que apresentam já esta terceira estrutura genética: “Estas são crianças que podem mover objetos através da sala apenas se concentrando neles, ou podem preencher copos com água apenas ao olhá-los. Elas são telepatas. Você quase pode considerá-las como parte angélicas ou super-humanas, mas elas não são. Eu acho que elas são aquilo no qual estaremos nos tornando durante as próximas décadas”. Ela afirma ainda sobre o advento desta terceira estrutura genética em nossas vidas: “Não ocorrerão doenças... Seremos capazes de aprender nossas lições não através do sofrimento, mas através de prazer e amor”.

O processo de mudança genética é possível então e tem por características sensações naturais à mudança em si na forma de mal-estar e sensações inexplicadas, tanto físicas quanto emocionais: “você pode necessitar de muito descanso; podem ocorrer sintomas como confusão mental e não ser capaz de se concentrar em tarefas rotineiras, já que fomos programados para algo maior; são comuns sofrimento e dores no corpo”. Trata-se de um processo (alteração genética) que naturalmente demoraria séculos ou mesmo milênios para ocorrer, mas que algumas pessoas podem realiza-lo muitíssimo mais brevemente, dependendo de sua constância, dedicação e seriedade na vivência e estudo das Leis Cósmicas Universais.

A título de reflexão e de estímulo a outras pesquisas é bom saber que a estrutura dupla do DNA é estabilizada pelas chamadas “pontes de hidrogênio” nas quais três átomos compartilham dois elétrons. Ora, o hidrogênio é um átomo que possui apenas um único elétron em uma única camada, camada esta que para obter a estabilidade química necessita de dois elétrons. O hidrogênio é o elemento menos denso que se conhece e por possuir propriedades distintas, não se enquadra claramente em nenhum grupo da tabela periódica. O hidrogênio é o mais abundante dos elementos químicos, constituindo aproximadamente 75% da massa elementar do Universo. Estrelas (sóis) na sequência principal são compostas primariamente de hidrogênio em seu estado de plasma. O elemento hidrogênio forma compostos com a maioria dos elementos, está presente na água e na maior parte dos compostos orgânicos.



Sendo assim, podemos especular que o hidrogênio seja um átomo solar que está presente na grande maioria da Criação, principalmente nas estrelas, e também realiza uma importantíssima função em nossa genética.

Os interessados podem encontrar outras informações sobre a terceira estrutura genética no livro “Surfista de Zuvuya”, de José Arguelles. Também poderá ler o artigo “A imagem superior” por Susanna Thorpe-Clark. Você poderá navegar pela Internet nos sites abaixo para ler um pouco mais sobre o assunto da mudança da estrutura genética e o conhecimento científico sobre ela:



Letícia de Castro e Juarez de Fausto Prestupa

Postar um comentário