terça-feira, 29 de janeiro de 2013

A Re Volta dos Anjos


A Re Volta dos Anjos


O conhecimento cristão nos ensina diversas coisas de natureza espiritual, muitos ensinamentos encontram-se na Bíblia. Mas, nem todos eles têm como fonte este livro sagrado e incontestável por dogma católico definido por papas na Idade Média (dogma este que as demais religiões cristãs aceitam e também adotaram). Uma questão que nos chega e que não está na Bíblia é sobre a Revolta ou Revolução dos Anjos.
Consta que anjos, liderados pelo “Diabo” se revoltaram contra Deus, Suas ordens e Vontade. Que esta “revolta” os trouxe para nosso planeta e aqui eles fizeram toda sorte de “coisa errada”; que foram julgados por outros seres espirituais mais elevados e condenados.
Esta estória pode ser encontrada nos registros e livros tidos como relativos à Enoque. Este personagem bíblico foi o avô de Noé. Ao que consta Enoque não morreu, foi levado por Deus para os céus. Os supostos “anjos caídos”, ou rebeldes, pediram a Enoque, que era limpo e puro, para que intercedesse por eles junto aos anjos superiores clamando perdão e assim Enoque saiu de sua condição de simples humano para se encontrar com seres espirituais muito mais evoluídos e poderosos do que os que viviam na Terra.
Esta interpretação de anjos que se revoltam contra a Vontade de Deus é um absurdo. Se Deus é Onipotente, Onisciente e Onipresente nada, absolutamente nada, acontece sem que Ele saiba, sem que Ele queira, sem que Ele participe. Então, o mínimo que se pode pensar é que ou estes “anjos” não eram entidades espirituais e assim como nós tinham lá sua porção de livre-arbítrio, ou então que tudo ocorreu conforme o Plano Divino, sob total conhecimento e aquiescência de Deus.
Discussões sobre as razões ou verdade à parte, o fato é que esotericamente sabe-se que este fato conhecido como “Revolta dos Anjos” aconteceu na Era de Leão (uma Era equivale a 2 milênios e um pouco mais de um século). Após a Era de Leão vieram as Eras de Câncer, Gêmeos, Touro, Áries e a Era de Peixes iniciada por Jesus. Agora estamos para ingressar na Era de Aquário, Era astrologicamente diametralmente oposta à Era de Leão. Os fatos se “repetem” de certa forma. Mas, não existe erro eterno, não existe condenação eterna, não existem coisas imperdoáveis. Caso contrário o “Erro Eterno” seria um segundo Deus, tão eterno e perfeito quando Deus. Este é o grande equívoco humano: cultuar uma ideia que possa se contrapor a Deus. Isso não existe!



Agora, na Era de Aquário, aquilo que foi feito de errado será redimido e redimido de uma forma justa e perfeita. “Aqueles” que de alguma forma prejudicaram a nossa humanidade, que de alguma forma interferiram alterando nossa evolução natural e espontânea, agora serão os responsáveis para nos ajudar a sair da condição em que nos encontramos. A primeira coisa que farão é exatamente colaborar para que entendamos que nada vai contra a Vontade de Deus, que não existe nenhuma entidade espiritual que seja contrária a Deus, Suas Ordens, Vontade e Sua Obra evolutiva cósmica. Ou seja, se eles “erraram” isso é patente de seres ou entidades de alguma forma imperfeitas, ainda em estado evolutivo e que não são Deus em absoluto! O passo seguinte e concomitante é ajudar a nossa humanidade a “limpar” seus conceitos, costumes, paradigmas e tradições de desdobramentos mínimos desta ideia dicotômica e uma possível luta divina entre um suposto mal e o bem. Podemos não perceber, mas estes conceitos duais estão presentes em simples raciocínios de nosso dia-a-dia e prejudicam nossa evolução, decisões e caminhar.
É chagado o momento da nova revolução ou revolta dos supostos “anjos” e são eles mesmos que lideram este movimento evolutivo para que nossa humanidade retome seu caminhar, agora em uma condição especial que nos foi outorgada exatamente por esta miscigenação com estes seres superiores. Se outrora estes “anjos” fizeram coisas contrárias à Vontade de Deus, agora eles trabalham a favor desta Vontade, de forma potente e acelerada porque mais do que para nós, estes “anjos” também precisam e querem a sua redenção e evolução. Pelo que nos fizeram no passado, estes seres têm agora sua evolução dependendo da nossa e estão plenamente conscientes disso. Se antes éramos apenas humanoides, agora por causa destes “anjos” temos também o “sangue das estrelas”. Com a ajuda deles a humanidade terrena tem por destino ocupar um lugar de igual direito na assembleia formada pelos mundos e civilizações do universo afora. A Re-Volta já começou, quem ficar preso a ideias, conceitos, costumes, hábitos e paradigmas antigos estará atrasando sua evolução e atrapalhando a evolução daqueles que estão ao seu lado. Vamos todos juntos voltar ao Céu!

Venha participar de nossos debates em:

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

A Plenitude da Mulher (e da Humanidade)



Um dos principais ensinamentos implícitos nas mensagens e experiências dos últimos tempos nos fala sobre a necessidade da plenitude da mulher.
Plenitude é uma palavra que tem significado muito próximo à “perfeição”.
A história recente e lembrada da humanidade é contada e dominada pelos homens. Foi a era do patriarcado no qual o homem é quem dominou e mandou. Mas, não foi sempre assim. Na história que não é contada, antes do patriarcado, houve o matriarcado quando as mulheres dominavam e até mesmo a imagem de Deus era feminina e não masculina como é hoje.
Mas, o tempo passou e o domínio feminino foi substituído pelo domínio masculino. As duas fases nas quais um sexo esteve acima do outro marcaram importantes experiências destes sexos, tanto como dominador, quando como dominado. É importante termos ambas as vivências para conhecermos “os dois lados da moeda” e assim poderemos atingir a verdade e a sabedoria que está além e acima da polaridade.
No recente período do patriarcado a mulher foi considerada até mesmo sem alma, inicialmente não teve direito a participar das decisões, foi símbolo do mal, chamada de bruxa, queimada na fogueira e sempre estava “atrás de um grande homem”. Ela era considerada apenas uma parideira, não tinha direito até mesmo ao prazer, a ser feliz ou mesmo a ter sua vida e carreira própria. O homem medieval concebeu a mulher dividida: uma era o símbolo da mãe imaculada e a outra era a prostituta do mal, uma era Eva e a outra Lilith. Uma era parte de si mesmo (uma “costela” sua) e a outra foi criada em iguais condições e seu amor secreto. Relacionar-se com uma parte de si mesmo é o mesmo que praticar o sexo solitário que apesar de dar prazer não é tão satisfatório quanto feito com a energia complementar.
Como você pode perceber, as coisas estão mudando já faz um tempo. Hoje as mulheres já votam, podem ter sua própria carreira, chegam até mesmo a ser presidente(a) de países importantes (Israel, Inglaterra, Brasil e Argentina são exemplos recentes).
O próximo passo da evolução sexual não é mais de supremacia de um sexo sobre o outro. Agora o feminino que adquiria a sabedoria por viver os dois lados da moeda do poder caminhará lado a lado, em iguais condições ao masculino que também já adquiriu sua compreensão por viver as situações de dominado e de dominador.



Mas, para concluir sua plenitude a mulher precisa cumprir uma etapa que só ela mesma pode se proporcionar. A plenitude traz consigo a ideia de inteireza. Ou seja, enquanto ela não se permitir ser e viver tudo o que tem dentro de si não será inteira. É claro que para que este processo possa ocorrer é importante que o masculino compreenda esta necessidade e permita que aconteça. Desta forma ambos serão beneficiados. Afinal, o masculino deseja e necessita do feminino pleno para que ambos, juntos se completem perfeitamente em busca da Perfeição Divina e da harmonia cósmica a ser implantada em nosso plano e planeta.
As mulheres precisam observar seu interior psíquico e se permitirem ir além de receios, inseguranças, limitações. Devem saber que tudo o que existe em seu interior se está “aparecendo” na forma de desejos, necessidades, imaginação, sentimentos ou impulsos é porque está vivo e como algo vivo é algo divino e deve ser vivido plenamente. De forma sábia, madura e consciente, a mulher precisa se permitir e assumir, colocar para fora e viver esta vida que está em seu interior e que esteve reprimida por tantas gerações. Somente assim ela poderá se sentir plena, feliz, realizada, satisfeita e perfeita. Somente assim ela poderá completar perfeitamente o homem e juntos viverem a plenitude da humanidade, quando não mais existirá dominador e dominado, luta entre o espírito e a matéria, entre o bem e o mal, quando a humanidade viverá compreendendo que a noite e o dia necessariamente se alternam sem que um seja melhor do que o outro, assim como o inverno e o verão, como a dor e o prazer, a morte e a vida.
Nós homens não somente precisamos abrir espaço para esta mulher plena em seus direitos de vida como devemos sim estimular que isso possa acontecer. É uma questão de justiça e mais do que isso, é uma necessidade para que também nós possamos ser felizes com uma mulher que nos complete plenamente, em todos os sentidos e formas, sem restrições ou limitações.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

O início da volta para o Pai

Ano Novo, vida nova! Tudo na vida é feito de ciclos. Nada é estável, fixo, tudo é cíclico, tudo na Criação e na Natureza segue um Projeto Maior definido por Deus. Já sabemos que não existe uma fonte de trevas, uma fonte de maldade ou uma entidade igual e contrária a Deus. Assim, tudo emanou Dele e tudo para Ele retorna[1]. Se a Era de Leão foi o marco de início deste nosso universo, da conhecida Rebelião dos Anjos, então agora na Era de Aquário é a Era do Retorno, da Rerrevolução dos Anjos.
Sabe-se que o amor é a única e maior força que existe na Criação e também que não existe condenação eterna. Sabe-se também que Deus é Justo, Amoroso, Misericordioso. Tudo que existe foi emanado Dele e a Ele tudo retornará. Então, o que é conhecido como “Mal” também é motivo de criação por parte de Deus, também é motivo de Seu amor e misericórdia. Se toda a Criação faz parte da Magnus Opus Dei, o Grande Projeto de Obra de Deus, o “mal” também está inserido em seu contexto como importante exercício do livre arbítrio. É importante destacar que se não houvesse livre arbítrio não haveria mérito algum. Por outro lado, o suposto “mal” serviu como um “corretivo” para os afastamentos das leis divinas, uma verdadeira “polícia” que denunciava os desvios e afastamentos para com Deus e Suas Leis.
Mas, a Era de Aquário é marcada pelo alinhamento das forças e princípios da Criação. A partir desta grande era iremos construindo uma vida sem as antigas contradições entre bem e mal, certo e errado, luz e trevas, masculino e feminino, forte e fraco, vencedor e perdedor, positivo e negativo. Ao invés de se digladiar ente si estas forças se unirão para atingir um objetivo maior. Pela força do Amor e da Harmonia o positivo se unirá com o negativo para que a luz seja acesa, o masculino se unirá com o feminino para gerar uma nova vida, o certo e o errado se união em sabedoria e compreensão e a humanidade compreenderá que é o silêncio (entre as notas) que dá graça e sentido a uma sinfonia, assim como compreenderá que é a sombra que nos permite ver as imagens, pois sem a sombra tudo seria luz e nada poderia ser distinguido, tudo seria uma luz só misturada e complexa.



Sabemos que se Deus é Onipotente, Onisciente e Onipresente nada pode acontecer sem que Ele saiba, que Ele aprove e que Ele participe. Então, o conceito de uma entidade contrária a Deus é um equívoco de raciocínio, lógica e de interpretação. Pelo contrário, esta força que foi condenada por séculos é a verdadeira responsável pelas provações e consequentemente pela evolução da humanidade. Nas escolas os exercícios e as provas são necessários para o aprendizado, o mesmo ocorre nos esportes. Por mais que não gostemos dos exercícios, desafios e provas, precisamos compreender definitivamente que são justamente eles que fortalecem o nosso espírito e testam nossa determinação, coragem, valor e princípios. Observe leitor que a dor é importantíssima para nos informar de que a harmonia foi perdida por alguma razão e que precisamos tomar alguma atitude para que tudo volte “aos trilhos”.
Talvez possamos dizer que a Era de Aquário será marcada definitivamente pela harmonia e pela união entre ciência e religião, entre emoção e pensamento. É em Aquário que verdadeiramente haverá o encontro amoroso entre os princípios masculino e feminino, em encontro definitivo entre os co-regentes da Criação, entre o Rei e a Rainha alquímicos.
Está iniciado o processo de retorno, de volta, dos anjos, tanto dos chamados “bons” quanto dos chamados “maus”. Afinal, andar com as duas pernas ou trabalhar utilizando os dois braços (o direito e o esquerdo) é muito mais fácil e natural de que utilizando apenas um deles. Se abdicarmos da parte esquerda ou da direita de nosso cérebro deixaremos de ser uma pessoa saída, equilibrada e perderemos nossa condição evolucional.
Reflita então, caro leitor, sobre estas questões e decida caminhar de forma aquariana e se unir àqueles que já iniciaram seu processo de retorno a Deus e à plenitude da vida e da existência.



[1] Conhecido como a Respiração de Brahma, a Criação segue um ciclo que se inicia com algo semelhante ao científico Big Bang (ou buraco branco, ou , ainda, um quasar), de onde tudo é “expelido” e a partir daí tudo vai se conformando e se organizando de forma coerente, seguindo leis cósmicas determinadas. Isso ocorre até que o universo atinja seu “horizonte de evento”, ou ponto máximo de expansão, a partir daí ele começa um movimento contrário de contração sobre si mesmo, pela força da atração, até tudo se fundir em um grande buraco negro. Este processo astrologicamente se inicia em Leão, passa então para Câncer, depois para Gêmeos, Touro, Áries, chega a Peixes e então ao signo oposto de Leão que é Aquários. Estas são as Grandes Eras ensinadas por Platão.

Além do Bem e do Mal




Do ilimitado surgem inúmeros mundos, e estabelece-se a multiplicidade; a gênese das coisas a partir do ilimitado é explicada através da separação dos contrários em consequência do movimento eterno. Para Anaximandro o princípio das coisas - o arché - não era algo visível; era uma substância etérea, infinita. Chamou a essa substância de apeíron (indeterminado, infinito). O apeíron seria uma “massa geradora” dos seres, contendo em si todos os elementos contrários. Anaximandro tinha um argumento: o ar é frio, a água é úmida, e o fogo é quente, e essas coisas são antagônicas entre si, portanto o elemento primordial não poderia ser um dos elementos visíveis, teria que ser um elemento neutro, que está presente em tudo, mas está invisível.
... uma unidade primordial, da qual nascem todas as coisas e à qual retornam todas as coisas.

Anaximandro de Mileto[1] (611-547 a.C.) 



Da Unidade Primordial surge a multiplicidade e a Ela retorna.
Assim como de Deus surgiu toda a Criação também Nele será seu final.
A convivência com os contrários serve para a experiência da vida e principalmente para o exercício do livre-arbítrio. São nas escolhas que se diferem as pessoas, que percebemos seu caráter e mérito.
A chamada “Guerra entre o Bem e o Mal” nada mais é do que o resultado de uma interpretação equivocada, uma consciência limitada da vida e seus ensinamentos para nós.
Há pessoas que abominam a chamada “mão esquerda”. Então, porque estas pessoas não amputam seus braços e mãos esquerdos? Houve tempo em que a mulher era sinônima do mal. Será que estaríamos aqui hoje se muitas mulheres não tivessem sobrevivido a esta ideia equivocada? Aqueles que ainda pensam assim (que a mulher é um agente do mal) estão dispostos a remover total e absolutamente a mulher de suas vidas, como pregam? Estarão eles dispostos a se afastar de sua mãe, irmã, esposa, filha? Talvez para estas pessoas seja conveniente se mudar de país porque o Brasil no momento é presidido por uma mulher!
Na Física atômica sabemos que a união ou fusão entre o próton (carga positiva) e o elétron (carga negativa) resulta em um nêutron (carga neutra). Da mesma forma, o uso da eletricidade só ocorre se promovermos de alguma forma o encontro entre os polos positivo e negativo: acendendo uma lâmpada, fazendo girar um motor, etc.



Organicamente falando temos dois hemisférios cerebrais e o coração é dividido em duas partes por um septo. Exigem órgãos que são duplos: ouvidos, pulmões, rins. Será que aqueles que renegam o “lado esquerdo” estão dispostos a abrir mão do lado esquerdo destes órgãos? Afinal, não foi Deus que assim os fez? Será que estes que condenam o lado esquerdo se julgam melhores, mais inteligentes, mais espertos e mais perfeitos do que Deus?
Como seria possível se ver as estrelas se não houvesse a escuridão? Como seria possível ouvir a beleza de uma música se não houvesse o silêncio entre suas notas musicais? Como seria possível distinguir as formas, enxergar algo, se não houvesse as sombras? Como seria possível nos locomovermos se não existir o que nos parece imóvel?
Em termos de Física é impossível separarmos a eletricidade do magnetismo. São forças ortogonais sim, mas inseparáveis. Da mesma forma não se separa homem de mulher, luz de sombra, etc. Na verdade são as duas faces de uma só verdade, de uma mesma moeda.
Quem condena os efeitos do suposto “mal” não percebeu que é exatamente da alternância entre os opostos que a vida se mantém. Observe nosso andar. Se estivermos sempre em equilíbrio não existe caminhar, ficaremos fixos, parados eternamente. Mas, se nos desequilibrarmos um pouco e formos alternando nossas pernas esquerda e direita, bem aí sim haverá um caminhar.
É interessante observar que a humanidade deu grandes saltos em momentos que supostamente imperava o “mal”: as guerras.
Na saúde a malvada dor nada mais é do que um alerta nos avisando de que algo está errado, em desarmonia, no organismo e que devemos tomar alguma atitude.
Muitos gostariam de viver sem dor, sem o mal, sem as trevas, etc. Se assim Deus lhes permitisse seriam pessoas imperfeitas, sem possibilidade de evolução ou crescimento. Estas pessoas viveriam em um dia eterno, sem noite; caso se machucasse não o saberiam e poderiam morrer em consequência de coisas simples, viveriam isoladas de tudo e de todos na falsidade de uma ilusão de perfeição; estas pessoas não veriam nada porque tudo seria uma luz cegante; não se locomoveriam, não ouviriam nada ....
Eu prefiro poder ver as estrelas, ouvir uma boa música, ter a noite para dormir na companhia da mulher amada e saber que ainda posso evoluir muito, crescer e aprender.

'Aquilo que se faz por amor está sempre além do bem e do mal.'
(Nietzsche)

Releitura esotérica do mito de Adão, Eva e Lilith ou o Mito da Criação

Releitura esotérica do mito de Adão, Eva e Lilith ou o Mito da Criação Os antigos mitos da Criação guardam mistérios insuspeitos que à...