terça-feira, 10 de janeiro de 2012

De onde vem o conhecimento das estrelas?


Existem informações de que o homem olha o céu desde os tempos das cavernas e que a partir daí seu conhecimento estelar foi sempre se aprimorando.
Todas as culturas antigas, tidas como “primitivas” pelos “modernos” estudavam as estrelas. Faço aqui um parêntesis para explicar o destaque que faço da palavra “primitivas” porque é interessante, por exemplo considerar a cultura Maia. Os maias [1]foram considerados primitivos para seus conquistadores espanhóis. Mas, na época em que os espanhóis conquistaram esta avançada cultura e povo suas principais cidades contavam com saneamento básico e água encanada e na Europa a França tinha esgoto correndo nas ruas, por exemplo. Os espanhóis também dizimaram os Incas que tinham um grande avanço tecnológico e médico se comparado com os centros europeus da época. E então os egípcios que sofreram conquistas sobre conquistas de supostos povos mais “avançados”? É um lado triste da história da humanidade, povos avançados e pacíficos “conquistados” na base da violência por outros supostamente “mais avançados”.
Mas, no Egito Antigo existem documentos que registram o uso do conhecimento estelar, hoje conhecido como Astrologia, desde séculos e até milênios antes de Cristo.
Pesquisadores acadêmicos maçônicos afirmam ter encontrado o cerne, o centro, o que originalmente era mais importante para a Ordem Maçônica como sendo o conhecimento estelar. Eles mesmos não acreditaram quando chegaram a esta comprovação:
“Parece que a cadeia de eventos que começa com a ciência astronômica do “Povo do Pote Entalhado” foi sendo perspassada com o correr do tempo, via cananeus, e veio a se transformar em um ponto focal nas crenças e aspirações dos sacerdotes que viviam em Qumran, e do grupo liderado por João, Jesus e Tiago.
Mas começamos a nos sentir desconfortáveis. Os magos judeus entendiam claramente os movimentos de Vênus, e suas aspirações nacionais parecem ter sido centradas sobre a crença supersticiosa que a luz de Vênus, aparecendo antes da aurora, em conjunção com outro planeta brilhante, permitiria vencer guerras e chegar à grandeza que almejavam. Qualquer que seja o nome empregado, isso é Astrologia.”
O Livro de Hiram. Maçonaria, Vênus e a chave secreta para a revelação da vida de Jesus. Christopher Knight e Robert Lomas. Editora Madras.
O livro “Enuma Anu Enlil[2]” em escrita cuneiforme registra o uso do conhecimento estelar na Antiga Babilônia.
Outros livros com títulos do tipo “Astrology in the Ancient World” também registram o estudo, importância e prática astrológica antes do advento dos “modernos” que a excomungaram do universo das ciências “respeitáveis, confiáveis e recomendáveis”.
Mas, um livro em especial nos informa não apenas do uso da Astrologia, mas principalmente de sua origem. Trata-se do chamado “Livro de Enoque”[3] que é mencionado na Bíblia. “É um livro etíope considerado apócrifo (a Igreja o retirou da Bíblia) e é mencionado por algumas cartas em Crônicas 1, Eclesiástico 44 e 49, Lucas 3,  Judas 1 e Hebreus 11. Até a elaboração da Vulgata[4], por volta do ano 400, os primeiros seguidores de Jesus o mencionavam abertamente em seus textos e o tinham como válido e real”[5].



Enoque[6] foi a sétima geração após Adão, pai de Matusalém. Segundo a Bíblia, ele andou com Deus e não morreu, foi arrebatado e ninguém o viu mais.
No “Livro de Enoque” fica claro que o conhecimento das estrelas, ou Astrologia, teve sua origem no céu, nas estrelas, e que foi transmitido aos homens pelos anjos, particularmente por um anjo chamado Barkayal. Da mesma forma que foram transmitidos os conhecimentos de como forjar o metal.
Parece óbvio que o conhecimento das estrelas nasceu com as próprias estrelas, junto com elas. Afinal, é sua ciência, as informações de como elas são em sua plenitude.
A imagem dos anjos é algo místico e subjetivo. Muitos acreditam que os antigos e “primitivos” deuses/anjos eram na verdade astronautas que vieram do espaço sideral até nosso planeta, colonizá-lo. Mas, qual seria o motivo desta “colonização” e presença? Isso nos levará a abordar de forma séria a questão dos extraterrestres.


[4] Vulgata é a tradução para o latim da Bíblia, escrita entre fins do século IV início do século V, por São Jerónimo, a pedido do Papa Dâmaso I, que foi usada pela Igreja Católica e ainda é muito respeitada. http://pt.wikipedia.org/wiki/Vulgata

Um comentário:

O Encontro entre o Céu e a Terra

"Os problemas significativos com os quais nos deparamos não podem ser resolvidos no mesmo nível de pensamento em que estávamos quan...